PUBLIC POLICIES FOR LIVING WITH THE SEMI-ARID IN THE MUNICIPALITY OF ERERÉ, CEARÁ, BRAZIL

Abstract

The semiarid climate has provided severe episodes to the population that lives in it, thus requiring strategies for coexistence. In this context, this study analyzes government actions, at the federal, state and municipal levels, aimed at living with the semiarid region in the municipality of Ereré, in the Ceará state. Based on the bibliographic survey, to discuss the theoretical scope, and on the survey and document analysis, with the collection of secondary data, it is found that in Ereré several public policies were implemented, with actions promoting access to water, followed by actions that encourage agricultural activities. It is concluded that the policies, while qualifying the coexistence of the Northeastern outback people, with the conditions of the local nature, reverberate positively in the lives of beneficiaries, enhancing conditions for improving the quality of life of the inhabitants of the municipality of Ereré.

Author Biographies

Diêgo Souza Albuquerque, Federal University of Paraíba (UFPB), Brazil

PhD student in Geography, Postgraduate Program in Geography at the Federal University of Paraíba (UFPB).

Elisângelo Fernandes da Silva, Federal Institute of Rio Grande do Norte (IFRN), Brazil

Master in Environmental Sciences and professor at the Federal Institute of Education, Science and Technology of Rio Grande do Norte (IFRN).

References

ALBUQUERQUE, D. S. Uso e ocupação das áreas de nascentes do alto curso da sub-bacia hidrográfica do Rio Figueiredo, Ceará, Brasil: elementos ao Ordenamento Territorial de áreas semiáridas. 166p. Dissertação (Mestrado em Planejamento e Dinâmicas Territoriais no Semiárido) – UERN, Pau dos Ferros/RN, 2020.

AB’SÁBER, A. N. Sertões e sertanejos: uma geografia humana sofrida. Revista de Estudos Avançados, São Paulo, USP, v. 13, n. 36, p. 07-59, 1999. Disponível em: . Acesso em: 13 fev. 2021.

AB’SÁBER, A. N. O Domínio morfoclimático semiárido das caatingas brasileiras. Geomorfologia, São Paulo, n. 40, 1974.

ANDRADE, M. C. A Problemática da Seca. Recife: Liber Gráfica e Editora, 1999.

ARAÚJO, S. M. S. A Região Semiárida do Nordeste do Brasil: Questões Ambientais e Possibilidades de uso Sustentável dos Recursos. Rios Eletrônica - Revista Científica da FASETE, Paulo Afonso – Bahia, v. 5, n. 5, p. 89-98, 2011. Disponível em: . Acesso em: 13 fev. 2021.

ARTICULAÇÃO SEMIÁRIDO BRASILEIRO. Programa Um Milhão de Cisternas (P1MC) – Ações. 2021. Disponível em: < https://www.asabrasil.org.br/acoes/p1mc>. Acesso em: 01 jul. 2021.

ARTICULAÇÃO SEMIÁRIDO BRASILEIRO. Semiárido - É no Semiárido que a vida pulsa. 2017. Disponível em: . Acesso em: 20 mai. 2021.

BRASIL. Decreto nº 4.962, de 22 de janeiro de 2004. Regulamenta a Lei no 10.420, de 10 abril de 2002, que cria o Garantia-Safra, dispõe sobre o Comitê Gestor do Garantia-Safra, e dá outras providências. Brasília/DF: Presidência da República, 2002.

BRASIL. Lei nº 10.420, de10 de abril de 2002. Cria o Fundo Garantia-Safra e institui o Benefício Garantia-Safra, destinado a agricultores familiares vitimados pelo fenômeno da estiagem, nas regiões que especifica. Brasília/DF: Câmara dos deputados, 2002.

CAMPOS, J. N. B. Secas e políticas públicas no semiárido: ideias, pensadores e períodos. Estudos Avançados, [S. l.], v. 28, n. 82, p. 65-88, 2014. Disponível em: . Acesso em: 20 mai. 2021.

CARVALHO, O. Políticas permanentes de convívio com a seca. (Exposição) XIX Fórum Banco do Nordeste de Desenvolvimento. Fortaleza/CE, 2013.

CEARÁ. Secretária de Desenvolvimento Agrário. Manual Operatório (MOP) – Programa Hora de Plantar. 34 ed. Fortaleza, 2021.

CEARÁ. Secretária de Desenvolvimento Agrário. Manual de Operações (MOP) – Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável (PDRS) / Projeto São José IV. Fortaleza, 2020.

CEARÁ. Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará. Produto Interno Bruto Municipal: análise do PIB dos municípios cearenses – 2002, 2010, 2016 e 2017. Fortaleza SPG/IPECE, 2019.

CEARÁ. Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará. Perfil Básico Municipal –Ererê. Fortaleza: IPECE, 2017.

CEARÁ. Plano Estadual de Convivência com a Seca: ações emergenciais e estruturantes. Fortaleza: Governo do Estado, 2015.

CEARÁ. Secretária de Desenvolvimento Agrário. Manual Operatório (MOP) – Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável (PDRS). Fortaleza, 2012.

CEARÁ. Assembleia Legislativa. Caderno Regional da sub-bacia do Médio Jaguaribe. Fortaleza: INESP, 2009.

CEARÁ. Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará. Ceará em Mapas – Classes de Solos. Fortaleza: IPECE 2007.

CONTI, J. B. O conceito de desertificação. Climatologia e estudos da paisagem, v. 3, n. 2, p. 3-52, 2008. Disponível em: . Acesso em: 28 mar. 2021.

CORREIA FILHO, W. L. F. et al. Estimativa do balanço hídrico climatológico para o estado do Rio Grande do Norte. In: XVI Congresso Brasileiro de Meteorologia. Anais... Belém/PA, 2010.

CORTEZ, H. S.; LIMA, G. P.; SAKAMOTO, M. S. A seca 2010-2016 e as medidas do Estado do Ceará para mitigar seus efeitos. Parc. Estrat., Brasília-DF, v. 22, n. 44, p. 83-118, jan./jun., 2017. Disponível em: article/viewFile/858/786>. Acesso em: 15 mai. 2021.

COSTA, A. B.; DIAS, R. B. Estado e sociedade civil na implantação de políticas de cisternas. In: ______. (Orgs.). Tecnologia Social e Políticas Públicas. São Paulo: Instituto Pólis, 2013, p. 33-63.

CPRM. Serviço Geológico do Brasil. Mapa geológico do estado do Ceará. CPRM, 2020.

DINIZ, O. C. P.; PIRAUX, M. Das intervenções de combate à seca às ações de convivência com o semiárido: trajetórias de "experimentalismo institucional" no semiárido brasileiro. Cadernos de estudos sociais, Recife, v. 26, n. 2, p. 227-238, 2011. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2021.

ELEUTERIO, J. A.; BARROS, C. D. T.; SOUZA JÚNIOR, M. Desenvolvimento rural sustentável: contribuições e reflexões sobre o Projeto São José no Ceará. In: 16º Congresso Brasileiro de Assistentes Sociais. Anais... Brasília/DF, 2019. Disponível em: . Acesso em: 29 jun. 2021.

FUNDAÇÃO CEARENSE DE METEOROLOGIA E RECURSOS HÍDRICOS. Ceará passa pela pior seca prolongada desde 1910. FUNCEME, 2016.

HEIDMANN, F. G. Do sonho do progresso às políticas de desenvolvimento. In: HEIDMENN, F. G.; SALM, J. F. Políticas públicas e desenvolvimento. Brasília: UnB, 2009, p. 23-39.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. População estimada municipal – 2019. IBGE Cidades, 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ. Os determinantes espaciais da extrema pobreza no estado do Ceará – 2010. Fortaleza/CE: IPECE, 2011.

MALVEZZI, R. Semiárido – uma visão holística. Brasília: Confea, 2007.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL. Municípios já atendidos ou com previsão de atendimento com cisternas de consumo. MDR, 2021.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. Garantia-Safra Benefício condicionado da Agricultura Familiar – Relatório Geral 2019. Brasília/DF: Secretaria de Política Agrícola, 2019.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. Relatórios Públicos de Implementação do Garantia-Safra – por município (relatório B.8 quantitativo). Brasília/DF: Secretaria de Política Agrícola, 2021.

RAMALHO, M. F. J. L. A fragilidade ambiental do Nordeste brasileiro: o clima semiárido e as imprevisões das grandes estiagens. Sociedade e Território, Natal, v. 25, n. 2, Edição Especial, p. 104-115, jul./dez. 2013. Disponível em:
REBOUÇAS, A. C. Água na região Nordeste: desperdício e escassez. Estudos Avançados, São Paulo, v. 11, n. 29, 1997. Disponível em: . Acesso em: 15 mai. 2021.

SABINO, S. T. B. O. Programas emergenciais de combate aos efeitos da seca: o que mudou na década de 90? 197f. Dissertação (Mestrado em Gestão Pública para o Desenvolvimento do Nordeste) – UFPE. Recife/PE, 2002.

SECRETÁRIA DE AGRICULTURA, RECURSOS HÍDRICOS E MEIO AMBIENTE DE ERERÉ. Relatório de Acompanhamento de Pagamento de Emergência. SEAGRI (Acervo Institucional): Ereré, 1998/1999.

SECRETÁRIA DE AGRICULTURA, RECURSOS HÍDRICOS E MEIO AMBIENTE DE ERERÉ. Relatório de Acompanhamento de Pagamento de Emergência. SEAGRI (Acervo Institucional): Ereré, 1993.
SILVA, P. C. G. et al. Caracterização do Semiárido brasileiro: fatores naturais e humanos. In: SÁ, I. B.; SILVA, P. C. G. Semiárido brasileiro: pesquisa, desenvolvimento e inovação. Petrolina/PE: Embrapa Semiárido, 2010, p. 19-48.

SOUZA, C. Políticas públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, Porto Alegre, v. 8, n. 16, p. 20-45, jul./dez. 2006. Disponível em: . Acesso em: 28 mai. 2021.

SUPERINTENDÊNCIA DE OBRAS HIDRÁULICAS. Localização georreferenciada de poços instalados pela Superintendência de Obras Hidráulicas – SOHIDRA. 2017. Disponível em: . Acesso em: 13 ag. 2021.

SUPERINTENDÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE. Delimitação do Semiárido. 2017. Disponível em: . Acesso em: 20 mai. 2021.

TEIXEIRA, E. C. O papel das políticas públicas no desenvolvimento local e na transformação da realidade. Revista AATR, 2002. Disponível em: . Acesso em: 28 mai. 2021.

ZANELLA, M. E. Considerações sobre o clima e os recursos hídricos do semiárido nordestino. Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n. 36, p. 126-142, 2014. Disponível em: . Acesso em: 13 fev. 2021.
Published
17/12/2023
How to Cite
ALBUQUERQUE, Diêgo Souza; SILVA, Elisângelo Fernandes da. PUBLIC POLICIES FOR LIVING WITH THE SEMI-ARID IN THE MUNICIPALITY OF ERERÉ, CEARÁ, BRAZIL. Geosaberes, Fortaleza, v. 14, p. 163 - 181, dec. 2023. ISSN 2178-0463. Available at: <http://www.geosaberes.ufc.br/geosaberes/article/view/1261>. Date accessed: 24 july 2024. doi: https://doi.org/10.26895/geosaberes.v14i0.1261.
Section
ARTICLES