RACIAL QUOTAS AND DEMOCRATIZATION OF HIGHER EDUCATION

Abstract

This article seeks to understand how teachers from various areas of knowledge understand the policy of racial quotas and how important it is for the entry of the black population in universities. To this end, a bibliographic analysis was carried out with works that address the issue of racism and racial quotas. After this moment, a questionnaire was organized for the teachers, followed by the systematization of the data in graphs and charts. The research is of the quanti-qualitative type, focusing on the analysis of the results. We conclude that all the teachers who volunteered to participate in the study are in favor of racial quotas and have a critical and reflective perception about it, even though some teachers do not feel encouraged to address the issue in the classroom.

Author Biographies

Giovana Silva Rocha, State University of Londrina (UEL), Brazil

Graduated in Geography and Specialization in Geography Teaching from the State University of Londrina.

Margarida de Cássia Campos, State University of Londrina (UEL), Brazil

Professor at the Department of Geosciences at the State University of Londrina and the Professional Master's course in Network Sociology.

References

ALMEIDA, S. Racismo estrutural. Belo Horizonte: Letramento, 2018.

BRASIL. Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/.../. Acesso em: 17 ago. 2021.

BRANDAO, J. J.; CAMPOS, M. C. Ações Afirmativas no Ensino Superior: os desafios da Universidade Estadual de Londrina. Formação, Presidente Prudente, v. 27, n.51, p.113-130, maio/ago. 2020.

BRASIL. Lei nº 12.711, de 29 de Agosto de 2012 [Lei de Cotas]. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis /2012/.../. Acesso em: 20 set. 2021.

FRIAS, L. As cotas raciais e sociais em universidades públicas são injustas? Direito, Estado e Sociedade, Rio de Janeiro, n. 41, p. 130-156, jul./dez. 2012.

GEREMIAS, C. A.; PERRUDE, M. R. S. Cotas raciais e sociais: o olhar dos alunos de uma escola pública de Ensino Médio. In: PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. O professor PDE e os desafios da escola pública paranaense: 2012. Curitiba-PR: SEED/ Superintendência de Educação, 2012b (Cadernos PDE, v.1). Disponível em: www.gestaoescolar.diaadia.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=20. Acesso em: 17 ago. 2021.

GOMES, J. B. Ação afirmativa: o princípio constitucional da igualdade. Rio de Janeiro: Renovar, 2001.

GOMES, N. L. O movimento negro educador: saberes construídos na luta por emancipação. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2017.

HENRIQUES, R. Desigualdade racial no Brasil: evolução das condições de vida na década da 90. Brasília-DF: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2001 (Texto para Discussão, n.807).

HOFBAUER, A. Branqueamento e democracia racial: sobre as entranhas do racismo no Brasil. In: ZANINI, M. C. C. (Org.). Por que “raça”? Breves reflexões sobre a Questão Racial no cinema e na antropologia. Santa Maria-RS: Editora UFSM, 2007. p.151-188.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Desigualdades sociais por cor ou raça no Brasil. Rio de Janeiro, 2019. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogoview=detalhes&id=2101681. Acesso em: 08 set. 2021.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Anos de estudo: mais de 11: pessoas 25 anos e mais, negros. Brasília-DF,2009. Disponível em:
http://www.ipeadata. gov.br/ Default.aspx. Acesso em: 30 jun. 2021.

MOEHLECKE, S. Ação afirmativa: história e debates no Brasil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n.117, p. 197-212, nov. 2002.

MURÇA, Giovana. Por que os estudantes negros são os mais afetados pela pandemia? Revista Quero Bolsa, 20 nov. 2020. Disponível em:
https://querobolsa.com.br/revista/por-que-os-estudantes-negros-sao-os-mais-afetados-pela-pandemia. Acesso em: 20 dez. 2021.

PAIVA, A. R. Políticas públicas, mudanças e desafios no acesso ao ensino superior. In: PAIVA, A. R. (Org.). Ação afirmativa em questão: Brasil, Estados Unidos, África do Sul e França. Rio de Janeiro: Pallas, 2013. p. 40-73.

PIRES, T. R. de O. A discussão judicial das ações afirmativas étnico-raciais no Brasil. In: PAIVA, Â. P. Ação Afirmativa em questão: Brasil, Estados Unidos, África do Sul e França. Rio de Janeiro: Pallas, 2013. p.210-239.

SANTOS, A. S. Ações afirmativas e combate do racismo nas Américas. Brasília-DF: Ministério da Educação: UNESCO, 2005. p.13-29.

SANTOS, K. S. Políticas públicas educacionais no Brasil: tecendo fios. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO E CONGRESSO ÍBERO AMERICANO DE POLÍTICA ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO, 2., 2011, São Paulo. Anais ... São Paulo: ANPAE, 2011. [p.1-13].

SANTOS, S. A. Ações afirmativas nos governos FHC e Lula: um balanço. Tomo, Sergipe, n. 24, p. 37-84, jan./jun. 2014.

SILVA, T. Ação afirmativa e população negra na educação superior: acesso e perfil discente., Rio de Janeiro: IPEA, jun. 2020 [Texto para Discussão]. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=35893 Acesso em: 9 dez. 2021.

SILVA, L. F. Considerações da juridicidade das políticas de ações afirmativas para negros no Brasil. In: SILVERIO, V.; MOEHELECKE, S. (Org.). Ações afirmativas nas políticas educacionais: o contexto pós-Durban. São Carlos: EDUFSCar, 2009. p. 279-302.
Published
25/03/2024
How to Cite
ROCHA, Giovana Silva; CAMPOS, Margarida de Cássia. RACIAL QUOTAS AND DEMOCRATIZATION OF HIGHER EDUCATION. Geosaberes, Fortaleza, v. 15, p. 61 - 76, mar. 2024. ISSN 2178-0463. Available at: <http://www.geosaberes.ufc.br/geosaberes/article/view/1283>. Date accessed: 21 may 2024. doi: https://doi.org/10.26895/geosaberes.v15i0.1283.
Section
ARTICLES