THE ONTOLOGICAL UBIQUITY OF THE BRAZILIAN’S INNER TERRITORIES: GEOLITERARIES AND TEACHING-PEDAGOGICAL CHALLENGES

Abstract

The brazilian’s inner territory is a geographical multiple lands, challenging definitions and limits for its conceptualization, analysis and proposals for understanding its meanings. Ontologically, the inner territory, thought of from an ontic point of view, has different essences, because its very nature diversifies from an empirical point of view and also multiplies. One of the greatest forms of expression of this diversity of the backwoods in its empiricity and ideation is in the literature that, by contributing to geoliterary problematization, there are different and rich expressions of the inner territoris understood as the territorial deepest lands from Brazil. In geoliterature there are ways of life, cultures, symbolic and natural landscapes, conflicts and other aspects of the backwoods that can be incorporated into reflections and didactic-pedagogical propositions of School Geography, in order not only to expand but also to insert the ontic- ontological ubiquity of the backlands in content, themes and learning experiences about the Brazilian’s inner territories.

Author Biographies

Gilvan Charles Cerqueira de Araújo, State Department of Education of the Federal District (SEEDF), Brazil

Professor and Permanent Researcher of the Stricto Sensu Master's and Doctorate Program in Education and Professor in the Degree Incentive Program - (PRIL) of the Catholic University of Brasília, Member of the faculty of the Postgraduate Program in Latin American Integration - Prolam/ USP, professor of Geography at the State Department of Education of the Federal District.

Valéria Cristina Pereira da Silva, Federal University of Goiás (UFG), Brazil

Prof. Dr. from the Federal University of Goiás (UFG), linked to the Institute of Socio-Environmental Studies-IESA and Lagicriarte – Laboratory of Imaginary Creativity and Art - Coordinator of the Imaginary, Landscape and Transcultural Studies group – GEIPaT, where she researches the themes: city imagery, geography and literature, culture, sensibilities, postmodernity and ontology of space.

Léon Denis Ferreira Xavier, Federal University of Ceará (UFC), Brazil

PhD student in Geography from the Federal University of Ceará (UFC), Master in Latin American Integration from the University of São Paulo (PROLAM/USP) and Graduate in Geography/Degree from the Federal University of Ceará (UFC). Collaborator at the Laboratory of Geoeducational Studies and Symbolic Spaces (LEGES), linked to the Department of Geography at the Federal University of Ceará (UFC) and develops research on topics related to Space, Identity and Music.

References

ALCARAZ, R. S.; MONLLOR, E M.. [Org.] La investigación e innovación en la enseñanza de la geografia. Alicante: Publicaciones de la Universidad de Alicante, 2016.

ALMEIDA, R.D. e PASSINI, E. Y. O Espaço Geográfico: Ensino e Representação. S. Paulo: Contexto, 2004.

ALVES, I. A Literatura é uma Geografia?. Revista Geografia, Literatura e Arte, v. 1, n. 2, p. 20-34, 2018. Disponível em < https://www.revistas.usp.br/geoliterart/article/view/140269 > Acesso em 22 de jan. de 2022.

AMADO, J. Região, Sertão, Nação. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 8, n.5, p. 145-151, 1995. Disponível em < https://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/1990/1129> Acesso em 22 de jan. de 2022.

ANTONIO FILHO, F. D. Sobre a palavra Sertão: origens, significados e usos no Brasil (do ponto de vista da Ciência Geográfica). Ciência Geográfica, v.XV, p.84-87, 2011. Disponível em < https://www.agbbauru.org.br/publicacoes/revista/anoXV_1/AGB_dez2011_artigos_versao_internet/AGB_dez2011_11.pdf > Acesso em 22 de jan. de 2022.

ANTUNES, C. (ORG.) Geografia e Didática. São Paulo: Vozes, 2010.

ARAÚJO, G. C. C. O sertão e a espacialidade edênica. Revista Geotemas, Pau dos Ferros-RN, v. 8, p. 1, 2018. Disponível em < http://natal.uern.br/periodicos/index.php/GEOTemas/article/view/891 > Acesso em 22 de jan. de 2022.

ARAÚJO, G. C. C. Cotidiano e facticidade: contribuições para uma geografia da escala mínima. Revista Geografia, Literatura e Arte, São Paulo, v. 2, p. 173-200, 2020. Disponível em < https://www.revistas.usp.br/geoliterart/article/view/154781 > Acesso em 22 de jan. de 2022.

SUZUKI, J. C; ARAÚJO, G. C.C.; MARQUES, K. Em busca dos sertões: a movência fronteiriça nos interiores do Brasil. Cuadernos de Geografía: Revista Colombiana de Geografía, [S. l.], v. 31, n. 1, p. 53–64, 2022. DOI: 10.15446/rcdg.v31n1.89690. Disponível em: https://revistas.unal.edu.co/index.php/rcg/article/view/89690. Acesso em: 23 ene. 2022.

BARROS, M. O livro das ignorãças. 4. ed. Rio de Janeiro: Record, 1997

BERQUE, A. Paisagem-marca, paisagem-matriz: elementos da problemática para uma geografia cultural. In: CORRÊA, Roberto Lobato; ROSENDAHL, Zeny (orgs.). Paisagem, tempo e cultura. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1998, p. 84-91.

BESSE, J. M. Ver a Terra: seis ensaios sobre paisagem e geografia. Tradução de Vladimir Bartalini. São Paulo: Perspectiva, 2006.

BLANCHOT, M. O espaço literário. Trad. Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Rocco, 1987.

BOLLE W. grandesertão:br: O romance de formação do Brasil. ed. 34. São Paulo:
Duas Cidades, 2004.

BRANDÃO, L. A. Teorias do Espaço Literário. São Paulo: Perspectiva, 2013.

CANDIDO, A. O homem dos avessos. In: CANDIDO, Antonio. Tese e Antítese; Ensaios. São Paulo: T. A. Queiroz, 2002. p.119-140.

CASTELLAR, S. Educação Geográfica: A psicogenética e o conhecimento escolar. Cad. Cedes, Campinas vol. 25 n.66 p. 209-225 maio/agosto, 2005. Disponível em < https://www.scielo.br/j/ccedes/a/SDh77ByNZ8v8bSD9DbbjvfF/?format=pdf&lang=pt> Acesso em 22 de jan. de 2022.

CAVALCANTI, L. C. S.; BRITO, J. M. S. R. Cartografia de paisagens para o ensino de geografia: prática de campo no sertão de Pernambuco. Geografia Ensino e Pesquisa, Santa Maria, v. 23 e 23, p. 1-27, 2019.

COLLOT, M. Rumo a uma geografia literária. In: Gragoatá, Niterói, n. 33, p. 17-31, 2. sem. 2012. Disponível em < https://periodicos.uff.br/gragoata/article/view/33006> Acesso em 22 de jan. de 2022.

CORRÊA, A. M. O sertão carioca. Rio de Janeiro: Imprensa. Nacional, 1936.

CORPAS, D. Grande sertão: veredas e formação brasileira. Revista da ANPOLL (Impresso), v. 24, p. 261-288, 2008. Disponível em < https://revistadaanpoll.emnuvens.com.br/revista/article/view/28 > Acesso em 22 de jan. de 2022.

CORRÊA, A. M. O sertão carioca. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1933.

COSTELLA, R. Z. Escola: espaço de responsabilidade social. Revista Trajetória Multicursos –Edição Especial XVI Fórum Internacional de Educação, Osório, ano 3, n. 7, ago. 2012. Disponível em < http://facos.edu.br/publicacoes/revistas/trajetoria_multicursos/agosto_2012/pdf/escola_-_espaco_de_responsabilidade_social.pdf > Acesso em 22 de jan. de 2022.

CUNHA, E. Os Sertões. São Paulo: Ubu Editora/Edições Sesc, 2019.

DARDEL, E. O homem e a terra: natureza da realidade geográfica. (Trad.Werther Holzer). Perspectiva: São Paulo, 2011.

FERRÉ, Andre. Géographie littéraire. Paris: Éditions Du Sagittaire, 1946.

FERREIRA, J. P. Os segredos do Sertão da terra: um longe perto. Légua e meia: Revista de literatura e diversidade cultural, Feira de Santana-UEFS, v. 3, n. 2, p. 25-39, 2004. Disponível em < http://periodicos.uefs.br/index.php/leguaEmeia/article/view/1949 > Acesso em 22 de jan. de 2022.

FERREIRA, G. L. et. al. O sertão educa. Revista Educação Em Questão, v. 48, n. 34, p. 190-215, 2014. Disponível em < https://periodicos.ufrn.br/educacaoemquestao/article/view/5773 > Acesso em 22 de jan. de 2022.

HAHN, J. B.; KAERCHER, N. A. Os arredores da escola: lugarizando a aprendizagem, vivenciando a geografia por meio de maquetes e cordel. In: CASTROGIOVANNI, A. C.; TONINI, I. M.; KAERCHER, N. A.; COSTELLA, R. Z.. (Org.). Movimentos para ensinar Geografia - oscilações. 1ed.Porto Alegre: Editora Letra1, 2016, v. , p. 255-277.

HEIDEGGER, M. Ser e Tempo. Trad. Marcia Sá Cavalcante Schuback. Petrópolis: Vozes, 2008.

HEIDEGGER, M. Ontologia: Hermenêutica da facticidade. Trad. Renato Kichner. Petrópolis/RJ: Vozes, 2013.

ÍÑIGUEZ, H. G. La reflexión cotidiana: hacia una arqueología de la experiencia. Santiago de Chile: Editorial Universitaria, 1987.

JACOB, P. A noite cobria o rio caminhando. Rio de Janeiro: Nórdica, 1983.

KUNZ, S. A. S.; ARAÚJO, G. C. C.; CASTIONI, R. Epistemologia e a pesquisa em política educacional: vetores que orientam os pesquisadores do campo educacional. Revista de Ensino de Geografia, Uberlândia, v. 8, n. 15, p. 17-47, jul./dez. 2017. Disponível em: http://www.revistaensinogeografia.ig.ufu.br/N15/Resumo-Art2-Revista-Ensino-Geografia-v8-n15-Kunz-Araujo-Castioni.php. Acesso em: 27 nov. 2020.

LAMBERT, J. Os dois Brasis. 5.ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1969.

LIBÂNEO, J. C. Didática. São Paulo: Cortez, 2013

MAAS, W. P. M. D. O cânone mínimo: o Bildungsroman na história da literatura. São Paulo: UNESP, 2000.

MALPAS, J. Place and Experience A Philosophical Topography. New York, NY: Routledge, 2018.

MARANDOLA JÚNIOR, E. Geograficidade e espacialidade na Literatura. Geografia, v. 34, n.3, p.487-508, set./dez. 2009. Disponível em < https://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/ageteo/article/view/4795 > Acesso em 22 de jan. de 2022.

MARANDOLA JÚNIOR, E. Lugar e Lugaridade. Mercator, Fortaleza, v. 19, apr. p. 1-12, 2020. Disponível em < http://www.mercator.ufc.br/mercator/article/view/e19008> Acesso em 22 de jan. de 2022.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da Percepção. Trad. Carlos. A. Ribeiro de Moura. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

MIGUEL, G. F. Do sertão de Dicke ao universo de Rosa: travessia de uma experiência de ensino. Revista Panorâmica On-Line. Barra do Garças–MT, vol. 17, p. 23–39, ago/dez. 2014. Disponível em < http://157.230.141.90/revista/index.php/revistapanoramica/article/view/596> Acesso em 22 de jan. de 2022.

MONTEIRO, C. A. F. O mapa e a trama - ensaios sobre o conteúdo geográfico em criações romanescas. Florianópolis: Editora da UFSC, 2002.

MORAES, A. C. R. O Sertão: um outro geográfico. Revista Terra Brasilis, Rio de Janeiro, v.4/5, p.11-23, 2003. Disponível em < https://journals.openedition.org/terrabrasilis/341 > Acesso em 22 de jan. de 2022.

MORAES, A. C. R. Geografia, interdisciplinaridade e metodologia. GEOUSP – Espaço e Tempo (Online), São Paulo, v. 18, n. 1, p. 9-39, 2014. Disponível em < https://www.revistas.usp.br/geousp/article/view/81075 > Acesso em 22 de jan. de 2022.

MORAES, J. V.; CASTELLAR, S. M. V. Metodologias ativas para o ensino de Geografia: um estudo centrado em jogos. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, v. 17, n. 2, p. 422-436, 2018. Disponível em < http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen17/REEC_17_2_07_ex1324.pdf > Acesso em 22 de jan. de 2022.

MOREIRA, Ruy. Marxismo e Geografia: a geograficidade e o diálogo das ontologias. Revista GEOgraphia. Niterói: PPGEO/UFF, ano VI, n. 11, 2004. Disponível em < https://periodicos.uff.br/geographia/article/view/13466 > Acesso em 22 de jan. de 2022.

OLANDA, D. A. M.; ALMEIDA, M. G. A geografia e a literatura: uma reflexão. Geosul. Florianópolis, v. 23, n. 46, p. 7-32, jul/dez 2008. Disponível em < https://periodicos.ufsc.br/index.php/geosul/article/view/2177-5230.2008v23n46p7> Acesso em 22 de jan. de 2022.

OLIVEIRA, L. Como Educar sobre os Direitos da Paisagem, Anais do III Encontro Interdisciplinar sobre o Estudo da Paisagem, Rio Claro: UNESP, 1998.

ORTÊNCIO, B. Dicionário do Brasil Central. São Paulo: Ática, 1983.

PÁDUA, L. T. S. A “Topologia do ser”: lugar, espaço e linguagem no pensamento de Martin Heidegger. 2005. Tese (Doutorado em Filosofia) Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Janeiro: PUC-Rio, 2005.

PÉREZ, C. L. V. Ler o espaço para Compreender o Mundo: a função alfabetizadora da geografia. In: Revista Tamoios (Impresso), v. 2, p. 17-24, 2005. Disponível em < https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/tamoios/article/view/646> Acesso em 22 de jan. de 2022.

PONTUSCHKA, N. N.; PAGANELLI, T. L.; CACET, N. H. Para ensinar e aprender Geografia. Coleção docência em formação. Série Ensino Fundamental. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2009.

REGO, A. H. O sertão e a geografia. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, v.63, p. 42-66, 2016. Disponível em < https://www.revistas.usp.br/rieb/article/view/114856 > Acesso em 22 de jan. de 2022.

ROJAS, J. Efeitos de sentido e fenomenologia nas práticas educativas: linguagem, cognição e cultura. In: III Seminário Internacional de pesquisa e estudos qualitativos – V Encontro de fenomenologia e análise do existir, 2006, São Bernardo do Campo. Anais. São Bernardo do Campo: Editora SE&PQ - Co-editora UMESP, v. 1, 2006, p. 1-10.

RONCARI, Luiz . O Brasil de Rosa (mito e história no universo rosiano): o amor e o
poder. 1a.. ed. São Paulo: Editora Unesp/FAPESP, 2004.

ROSA, J. G. Grande Sertão: Veredas. 19. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

SENA, C. S. “A categoria sertão: um exercício de imaginação antropológica.” Sociedade e Cultura, v. 1, n. 1, p. 19-28. Disponível em: < https://www.revistas.ufg.br/fcs/article/view/1776/2137> Acesso em 23 de jan. de 2022.

SILVA, M. S.; RIBEIRO, D. M. S. Ensino de Física no Sertão: Literatura de cordel como ferramenta didática. Revista Semiárido De Visu, Salgueiro-Pe, v.2, n.1, p.231-240, 2012. Disponível em < https://periodicos.ifsertao-pe.edu.br/ojs2/index.php/semiaridodevisu/article/view/61 > Acesso em 22 de jan. de 2022.

SILVA, A. C. A aparência, o ser e a forma (geografia e método). Revista GEOgraphia, Niterói, Ano II, n. 3, p. 7-25. 2000. Disponível em < https://periodicos.uff.br/geographia/article/view/13372> Acesso em 22 de jan. de 2022.

SILVA, N. M; ARAGÃO, R. F. Observação como Prática Pedagógica no Ensino de Geografia. Fortaleza: Geosaberes, 2012. Disponível em < http://www.geosaberes.ufc.br/geosaberes/article/view/174 > Acesso em 22 de jan. de 2022.

SILVEIRA, M. L. Uma situação Geográfica: do método à metodologia. Revista Território, Rio de Janeiro, ano IV, n.16, jan./jun.1999.

SUZUKI, J. C. Geografia e Literatura: abordagens e enfoques contemporâneos. In: Revista do Centro de Pesquisa e Formação, v. 5, p. 129-147, 2017. Disponível em < https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4246745/mod_resource/content/1/J%C3%BAlio%20C%C3%A9sar%20Suzuki%20-%20Geografia%20e%20Literatura%20-%20abordagens%20e%20enfoques%20contempor%C3%A2neos.pdf > Acesso em 22 de jan. de 2022.

STRAFORINI, R. O Ensino de Geografia como Prática Espacial de Significação. In: Estudos Avançados, v. 32, p. 175-195, 2018. Disponível em < https://www.revistas.usp.br/eav/article/view/152621 > Acesso em 22 de jan. de 2022.

TAMANINI, P. A.; SILVA, E. D. R. O Nordeste, as imagens e o ensino: o real e o imaginário na iconografia da seca. Revista Linhas, Florianópolis, v. 20, p. 317-337, 2019. Disponível em < https://www.revistas.udesc.br/index.php/linhas/article/view/1984723820432019317 > Acesso em 22 de jan. de 2022.

TEIXEIRA NETO, J.; MEDEIROS, E. A.; SOUZA, J. F. C. A Filosofia no Sertão: da formação de professores à Filosofia no Ensino Médio. Revista Digital de Ensino de Filosofia, Santa Maria, v..3. n.1, jan./jun. p. 38-58, 2017. Disponível em < https://periodicos.ufsm.br/refilo/article/view/27330 > Acesso em 22 de jan. de 2022.

VERISSIMO, Erico. O Continente. São Paulo: Companhia das Letras, 2004. v. 1.
Published
03/04/2024
How to Cite
ARAÚJO, Gilvan Charles Cerqueira de; SILVA, Valéria Cristina Pereira da; XAVIER, Léon Denis Ferreira. THE ONTOLOGICAL UBIQUITY OF THE BRAZILIAN’S INNER TERRITORIES: GEOLITERARIES AND TEACHING-PEDAGOGICAL CHALLENGES. Geosaberes, Fortaleza, v. 15, p. 152 - 173, apr. 2024. ISSN 2178-0463. Available at: <http://www.geosaberes.ufc.br/geosaberes/article/view/1310>. Date accessed: 21 may 2024. doi: https://doi.org/10.26895/geosaberes.v15i0.1310.
Section
ARTICLES